Filme: Jean Charles

Esta semana fomos assistir ao filme brasileiro/inglês que fala sobre a vida do brasileiro que foi assassinado injustamente no metrô de Londres.

Confesso que fui com muitas expectativas para assistir ao filme, mas já esperando uma dura realidade dos brasileiros que decidem imigrar ilegalmente e se sujeitam a qualquer coisa para “se darem bem” no exterior…

Jean Charles

Não sou nenhum crítico de cinema, mas tenho que confessar que achei muitos atores MUITO amadores e fora Selton Mello e a Vanessa Giácomo o restante ficou um pouco a desejar.

Fica a sugestão do filme, apesar de retratar um tipo de imigração que sou totalmente contra.

Por coincidência, fui tomar um Açai hoje e conversando com a moça da lanchonete, ela me contou que acabou de voltar de Portugal e que ficou por lá 7 anos, deixando duas filhas no Brasil. Ela me disse que espera nunca mais ter que voltar para lá e que quase não passeou ou conheceu muita coisa, se dedicava praticamente só ao trabalho e era muito discriminada… Fico imaginando como isto deve ser complicado e triste. E ela me contou com os olhos brilhando sobre a felicidade de estar aqui com seus filhos novamente. E por que estou contando isto?? É porque acho MUITO complicado este tipo de imigração e “perder” 7 anos da sua vida somente pelo dinheiro é demais para mim (mas quem sou eu para julgar, pois não estou nesta situação). Se imigrar com tudo legalizado e “preparado” já é dificil, imagina ir para uma outra realidade completamente diferente somente para juntar dinheiro e sem saber o que se espera….

Esta entrada foi publicada em Cinema. ligação permanente.

3 respostas a Filme: Jean Charles

  1. Marina diz:

    olá!

    concordo com a sua visão sobre a imigração ilegal. e é realmente impressionante que estas pessoas não aproveitam absolutamente nada do país que estão.

    bom fim de semana!

  2. César diz:

    Quando comento que estamos indo legalmente todos nos parabenizam. Uma pena os que acabam apelando pra ilegalidade.

    E a vida segue…

  3. Keli Barros diz:

    Olá Aline e Cristiano!

    Primeiro de tudo, comecei a ler ontem o blog de vocês e não consigo mais parar!!!! Ontem fui dormir às duas da madrugada!!! É maravilhoso vocês compartilharem os acontecimentos e o mais importante: as emoções!

    Sobre o filme Jean Charles, eu assisti na semana passada, mas a sorte é que eu havia lido antes uma resenha publicada na revista Veja que explicava que o diretor do filme juntou atores e pessoas comuns que realmente participaram da vida do Jean (como a prima dele, o chefe, alguns colegas de trabalho), caso contrário também ficaria decepcionada com esses atores que na verdade não são atores, a medida que eu ia assistindo já ia identificando quem era ator e quem não era (exceto o chefe dele que parece ator de verdade (assim como a revista Veja adiantou).

    Só dá pra entender a decisão final da prima dele (Vivian), quem já passou pela experiência de sair do Brasil…
    Quando passei um tempo na Europa, minha amiga disse: “Você só corre um risco: o de ter pra sempre o seu coração dividido.” E isso realmente aconteceu comigo (que moro no Brasil), e com minha irmã (que mora há dez anos na Alemanha, CHORA DE SAUDADE do Brasil, mas não tem planos de voltar).

    QUE DEUS CONTINUE ABENÇOANDO O CAMINHO DE VOCÊS!!!

    Segue abaixo o link da matéria, mas precisa ter a senha, como não sei se vocês tem a senha, tentarei copiar o conteúdo aqui.
    http://veja.abril.com.br/240609/p_154.shtml

    *** CONTEÚDO RETIRADO DA REVISTA VEJA:
    Emoções bem dosadas

    Jean Charles conta, com delicadeza, a história do jovem
    mineiro que a polícia inglesa assassinou em 2005. Sem
    transformar o personagem em símbolo, faz uma oportuna
    crônica sobre a vida dos brasileiros no estrangeiro

    Jean Charles (Brasil/Inglaterra, 2009), que estreia nesta sexta-feira no país, exemplifica as vantagens dramatúrgicas de uma ideia formulada com clareza. É, como indica seu título, a história das últimas semanas na vida do eletricista mineiro que em 22 de julho de 2005 foi executado por engano pela polícia inglesa, dentro de um vagão de metrô de Londres, por ter sido incompreensivelmente confundido com um terrorista islâmico. Mas é também – ou antes de tudo – uma crônica do dia a dia daquele contingente de brasileiros que deixam cidades falidas para trabalhar em um país estrangeiro do qual não conhecem nada, nem a língua. Trata-se de um assunto que estava, por assim dizer, bem embaixo do nariz de qualquer cineasta, de ficção ou documentarista. Fácil dizer depois que alguém o enxergou como tal – no caso, Henrique Goldman, que, após longas estadas em Nova York e em Roma, se radicou em Londres desde os anos 90, onde faz documentários para canais como o Channel 4 inglês e a RAI italiana – e, aqui, dirige a primeira coprodução da história entre Brasil e Inglaterra.

    O diretor elege como ponto inicial da narrativa o momento em que Jean Charles retorna a Londres, após uma visita ao Brasil, trazendo a prima Vivian. Ela quase é pega no aeroporto pela imigração; Jean Charles inventa uma história triste, e a prima sai de lá com um visto temporário. É uma bela introdução à situação: o terror da deportação, a maneira acanhada como uma recém-chegada como Vivian (Vanessa Giácomo) enfrenta uma cidade imensa e estranha como Londres, e o pendor de Jean Charles (Selton Mello) para se despachar e ajeitar a vida de um e de outro. Goldman e o roteirista Marcelo Starobinas foram conhecer de perto essa comunidade brasileira em Londres. Descobriram um curiosíssimo Brasil paralelo: vendedores de goiabada e pão de queijo, empresas só de motoboys brasileiros, “churrasquinhos de gato” no sábado. Trata-se de um Brasil paralelo, também, por ser monoglota – na maioria, essas pessoas não aprendem uma palavra de inglês. Segundo os relatos que os realizadores colheram, entretanto, Jean Charles era um caso especial. Adorava viver em Londres, fazia questão de falar o idioma e achava que lá poderia crescer e vir a ser algo mais.

    Ter os vários lados de uma experiência em um mesmo punhado de protagonistas reais é raro, e o filme explora essa vantagem de maneiras às vezes inusitadas. Alex e Patrícia, os dois primos com quem Jean Charles já morava antes da chegada de Vivian, são interpretados por um ator – o excelente Luis Miranda – e pela prima verdadeira do personagem-título, Patricia Armani, que se tornou um salutar elemento desestabilizador para o elenco, por poder contrapor suas memórias de Jean Charles às concepções que cada um tinha da história. Também o patrão de Jean, o empreiteiro Maurício Varlotta – a pessoa que Jean almeja ser –, interpreta a si mesmo (e trata-se de um ator nato), assim como alguns dos seus peões. Embora brasileiros, o diretor e o roteirista estão longe do Brasil há tempo suficiente para saber lançar um olhar algo antropológico sobre essa comunidade. A mistura entre pessoas comuns e atores profissionais é, portanto, um dos aspectos mais ricos do filme: transforma Jean Charles num exercício de observação temperado com elementos afetivos.

    Essa dosagem de emoções acaba por se revelar fundamental. A história de Jean Charles terminou de forma trágica e insensata e deixou grande frustração, já que os agentes que o abateram com oito tiros não foram condenados. Mas transformá-lo num emblema seria um erro fatal para o filme. Aqui, ao contrário, na atuação ao mesmo tempo cativante e transpassada de angústia de Selton Mello – que, sem deixar de ser Selton Mello, nunca se expôs tanto em um papel –, Jean Charles é uma pessoa com várias facetas. Ajuda um, passa a perna em outro, dá um passo adiante e então faz uma besteira e volta dois passos para trás. Todo o tempo, faz o que fazem as pessoas na sua contingência – vira-se. A caçada contra terroristas em Londres, disparada pelos atentados de 7 de julho de 2005 ao sistema de transporte da cidade, é percebida por ele e seus primos de maneira não mais do que periférica. Até que, na cena fatídica em que ele é o alvo, eles de fato se tornam parte da vida da cidade, embora não da maneira como Jean imaginaria sê-lo. E aí o espectador já conviveu tão estreitamente com o personagem que passa a ser uma reação natural, e não apenas uma reação esperada, lamentar sua perda.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s